serw-MX  [xml]  
 


    
 Categorias DeCS

B01 Eucariotos .
B01.650 Plantas .
B01.650.940 Viridiplantae .
B01.650.940.800 Estreptófitas .
B01.650.940.800.575 Embriófitas .
B01.650.940.800.575.912 Traqueófitas .
B01.650.940.800.575.912.250 Magnoliopsida .
B01.650.940.800.575.912.250.456 Gentianales .
B01.650.940.800.575.912.250.456.500 Apocynaceae .
B01.650.940.800.575.912.250.456.500.131 Apocynum .
C16 Doenças e Anormalidades Congênitas, Hereditárias e Neonatais .
C16.320 Doenças Genéticas Inatas .
C16.320.565 Erros Inatos do Metabolismo .
C16.320.565.398 Erros Inatos do Metabolismo Lipídico .
C16.320.565.398.465 Hiperlipoproteinemia Tipo I .
C18 Doenças Nutricionais e Metabólicas .
C18.452 Doenças Metabólicas .
C18.452.584 Transtornos do Metabolismo dos Lipídeos .
C18.452.584.500 Dislipidemias .
C18.452.584.500.500 Hiperlipidemias .
C18.452.584.500.500.644 Hiperlipoproteinemias .
C18.452.584.500.500.644.237 Hiperlipoproteinemia Tipo I .
C18.452.648 Erros Inatos do Metabolismo .
C18.452.648.398 Erros Inatos do Metabolismo Lipídico .
C18.452.648.398.465 Hiperlipoproteinemia Tipo I .
D03 Compostos Heterocíclicos .
D03.383 Compostos Heterocíclicos com 1 Anel .
D03.383.742 Pirimidinas .
D03.383.742.680 Nucleosídeos de Pirimidina .
D03.383.742.680.245 Citidina .
D03.383.742.680.245.453 Citarabina .
D10 Lipídeos .
D10.532 Lipoproteínas .
D10.532.091 Apolipoproteínas .
D10.532.091.200 Apolipoproteínas A .
D10.532.091.400 Apolipoproteínas C .
D10.532.091.400.500 Apolipoproteína C-I .
D10.532.091.400.750 Apolipoproteína C-II .
D10.532.091.400.875 Apolipoproteína C-III .
D10.532.091.500 Apolipoproteínas E .
D12 Aminoácidos, Peptídeos e Proteínas .
D12.776 Proteínas .
D12.776.070 Apoproteínas .
D12.776.070.400 Apolipoproteínas .
D12.776.070.400.200 Apolipoproteínas A .
D12.776.070.400.400 Apolipoproteínas C .
D12.776.070.400.400.500 Apolipoproteína C-I .
D12.776.070.400.400.750 Apolipoproteína C-II .
D12.776.070.400.400.875 Apolipoproteína C-III .
D12.776.070.400.500 Apolipoproteínas E .
D12.776.521 Lipoproteínas .
D12.776.521.120 Apolipoproteínas .
D12.776.521.120.200 Apolipoproteínas A .
D12.776.521.120.400 Apolipoproteínas C .
D12.776.521.120.400.500 Apolipoproteína C-I .
D12.776.521.120.400.750 Apolipoproteína C-II .
D12.776.521.120.400.875 Apolipoproteína C-III .
D12.776.521.120.500 Apolipoproteínas E .
D13 Ácidos Nucleicos, Nucleotídeos e Nucleosídeos .
D13.570 Nucleosídeos .
D13.570.065 Arabinonucleosídeos .
D13.570.065.300 Citarabina .
D13.570.685 Nucleosídeos de Pirimidina .
D13.570.685.245 Citidina .
D13.570.685.245.453 Citarabina .
 
 Termos
 Sinônimos e Históricos
Documentos
LILACS e MDL
 
Apolipoproteínas C .
Apo-C .
Grupo de apolipoproteínas que podem rapidamente trocar de classe entre as diversas classes de lipoproteínas (HDL, VLDL, QUILOMÍCRONS). Após a lipólise das TRIGLICÉRIDES em VLDL e quilomícrons, as proteínas Apo-C são normalmente transferidas para o HDL. Os subtipos podem modular a ligação dos remanescentes aos receptores, LECITINA COLESTEROL ACILTRANSFERASE ou LIPASE LIPOPROTEICA. .
1.00
 
Apolipoproteína C-I .
Componente proteico de 6,6 kDa das lipoproteínas de densidade muito baixa, lipoproteínas de densidade intermediária e lipoproteínas de alta densidade. Apo C-I desloca a APO E das lipoproteínas, modulam sua ligação aos receptores (RECEPTORES LDL) e consequentemente diminuem sua depuração do plasma. Os elevados níveis de Apo C-I estão associados com HIPERLIPOPROTEINEMIA e ATEROSCLEROSE. .
0.62
 
Apolipoproteína C-II .
Componente proteico de 9 kDa das lipoproteínas de densidade muito baixa. Contém um co-fator para a LIPASE LIPOPROTEICA e ativa várias triacilglicerol lipases. A associação da Apo C-II com os QUILOMÍCRONS, VLDL e lipoproteínas de alta densidade plasmáticas é reversível e muda rapidamente como uma função do metabolismo de triglicerídeos. Clinicamente, a deficiência de Apo C-II é similar à deficiência da lipase lipoproteica (HIPERLIPOPROTEINEMIA TIPO I) e portanto, denominada hiperlipoproteinemia tipo IB. .
0.62
 
Apolipoproteína C-III .
Componente proteico de 9 kDa das lipoproteínas de densidade muito baixa e dos REMANESCENTES DE QUILOMÍCRONS. A Apo C-III, sintetizada no fígado, é um inibidor da LIPASE LIPOPROTEICA. A Apo C-III modula a ligação dos remanescentes de quilomícrons e da VLDL aos receptores (RECEPTORES LDL) diminuindo, assim, a captação de partículas ricas em triglicerídeos pelas células hepáticas e subsequente degradação. A Apo C-III normal é glicosilada. Há várias formas polimórficas com diversas quantidades de ÁCIDO SIÁLICO (Apo C-III-0, Apo C-III-1 e Apo C-III-2). .
0.61
 
Citarabina .
Ara-C .
Arabinofuranosilcitosina .
Arabinosilcitosina .
Citosina Arabinosídeo .
CITOSINA ARABINOSÍDIO .
Análogo de nucleosídeo pirimidínico que é utilizado principalmente no tratamento da leucemia, especialmente a leucemia aguda não linfoblástica. A citarabina é um agente antimetabólico antineoplásico que inibe a síntese de DNA. Suas ações são específicas para a fase S do ciclo celular. Também possui propriedades antivirais e imunossupressoras. (Tradução livre do original: Martindale, The Extra Pharmacopoeia, 30th ed., p472) .
0.56
 
Apolipoproteínas A .
Apo-A .
Proteínas estruturais das alfa-lipoproteínas (LIPOPROTEÍNAS DE ALTA DENSIDADE), incluindo a APOLIPOPROTEÍNA A-I e a APOLIPOPROTEÍNA A-II. Podem modular a atividade da LECITINA COLESTEROL ACILTRANSFERASE. Pacientes portadores de aterosclerose possuem baixos níveis de apolipoproteína A. Estão ausentes ou presentes em concentrações plasmáticas extremamente baixas na DOENÇA DE TANGIER. .
0.55
 
Apolipoproteínas E .
Apo-E .
Classe de componentes proteicos que podem ser encontrados em várias lipoproteínas, incluindo as LIPOPROTEÍNAS DE ALTA DENSIDADE, as LIPOPROTEÍNAS DE DENSIDADE MUITO BAIXA e os QUILOMICRONS. Sintetizadas na maioria dos órgãos, a Apo E é importante no transporte global de lipídeos e do colesterol no corpo. A Apo E é também um ligante dos RECEPTORES DE LDL, que medeiam a ligação, internalização e catabolismo das partículas lipoproteicas nas células. Há várias isoformas alélicas (como, E2, E3 e E4). Deficiência ou defeitos na Apo E são as causas da HIPERLIPOPROTEINEMIA DO TIPO III. .
0.54
 
Hiperlipoproteinemia Tipo I .
Deficiência de Apolipoproteína C-II .
Hiperquilomicronemia Familiar .
Deficiência de Lipoproteína Lipase Familiar .
Deficiência de Aoolipoproteína C-II .
Deficiência Familiar de Lipoproteína Lipase .
Afecção hereditária devido a uma deficiência de LIPOPROTEÍNA LIPASE ou APOLIPOPROTEINA C-II (uma proteína ativadora de lipase). A perda das atividades da lipase resulta em uma incapacidade para remover QUILOMÍCRONS e TRIGLICERÍDEOS do sangue que ficam com uma camada gordurosa após esta situação ser estabelecida. .
0.51
 
Apocynum .
Apócino .
Gênero de plantas da família APOCYNACEAE. É raramente chamado de erva-leiteira, mas não deve ser confundido com a verdadeira erva-leiteira (ASCLEPIAS). .
0.49