serw-MX  [xml]  
 


    
 Categorias DeCS

B01 Eucariotos .
B01.650 Plantas .
B01.650.940 Viridiplantae .
B01.650.940.800 Estreptófitas .
B01.650.940.800.575 Embriófitas .
B01.650.940.800.575.912 Traqueófitas .
B01.650.940.800.575.912.250 Magnoliopsida .
B01.650.940.800.575.912.250.350 Euphorbiaceae .
B01.650.940.800.575.912.250.350.650 Ricinus .
D08 Enzimas e Coenzimas .
D08.811 Enzimas .
D08.811.277 Hidrolases .
D08.811.277.450 Glicosídeo Hidrolases .
D08.811.277.450.430 N-Glicosil Hidrolases .
D08.811.277.450.430.700 Proteínas Inativadoras de Ribossomos .
D08.811.277.450.430.700.750 Proteínas Inativadoras de Ribossomos Tipo 2 .
D08.811.277.450.430.700.750.666 Ricina .
D12 Aminoácidos, Peptídeos e Proteínas .
D12.776 Proteínas .
D12.776.034 Albuminas .
D12.776.034.756 Ricina .
D12.776.503 Lectinas .
D12.776.503.280 Lectinas Tipo C .
D12.776.503.280.249 Colectinas .
D12.776.503.280.249.500 Lectina de Ligação a Manose .
D12.776.503.311 Lectinas de Ligação a Manose .
D12.776.503.311.500 Lectina de Ligação a Manose .
D12.776.503.499 Lectinas de Plantas .
D12.776.503.499.625 Aglutinina de Amendoim .
D12.776.503.499.937 Ricina .
D12.776.765 Proteínas de Plantas .
D12.776.765.678 Lectinas de Plantas .
D12.776.765.678.625 Aglutinina de Amendoim .
D12.776.765.678.906 Proteínas Inativadoras de Ribossomos Tipo 2 .
D12.776.765.678.906.750 Ricina .
G12 Fenômenos do Sistema Imunológico .
G12.274 Ativação do Complemento .
G12.274.849 Lectina de Ligação a Manose da Via do Complemento .
 
 Termos
 Sinônimos e Históricos
Documentos
LILACS e MDL
 
Ricina .
Lectina de Ricinus communis .
Lectina da Semente do Rícino .
Lectina da Semente da Mamona .
Lectina do Rícino .
LECTINA DA MAMONA .
Fototoxina proteica derivada das sementes de Ricinus communis, a planta do óleo de rícino. Aglutina células, é proteolítica e causa inflamação letal e hemorragia se ingerida. .
1.00
112697
 
Lectinas .
Lectinas Animais .
Isolectinas .
Aglutininas de Plantas .
Hemaglutininas de Plantas .
Fitoaglutininas .
Aglutininas de Plnatas .
Proteínas que compartilham a característica comum de ligação aos carboidratos. Alguns ANTICORPOS e proteínas metabolizadoras de carboidratos (ENZIMAS) também se ligam aos carboidratos, entretanto não são consideradas lectinas. As LECTINAS DE PLANTAS são proteínas ligadas aos carboidratos que foram inicialmente identificados por sua atividade hemaglutinante (HEMAGLUTININAS). Entretanto, nas espécies animais há várias lectinas que atuam em um amplo espectro de funções através do reconhecimento de carboidratos específicos. .
0.65
17229168
 
Ricinus .
Carrapateira .
Mamona .
Mamoneira .
Planta do Óleo de Mamona .
Planta do Óleo de Rícino .
Rícino .
Ricinus africanus .
Gênero de plantas da família EUPHORBIACEAE. A semente de Ricinus communis é a SEMENTE DE RÍCINO que é fonte do ÓLEO DE MAMONA, RICINA e outras LECTINAS. .
0.62
 
Lectinas de Plantas .
Lectinas Vegetais .
Proteína ou substâncias glicoproteicas de origem vegetal que se ligam as porções de açúcar das paredes ou membranas celulares. Algumas proteínas metabolizadoras de carboidratos (ENZIMAS) de PLANTAS também se ligam a carboidratos; entretanto não são consideradas lectinas. Muitas lectinas de plantas alteram a fisiologia da membrana das CÉLULAS SANGUÍNEAS para causar aglutinação, mitose ou outras mudanças bioquímicas. Podem desempenhar um papel no mecanismo de defesa da planta. .
0.52
167291
 
Lectina de Ligação a Manose .
Lectina Ligante a Manose .
Lectina Ligante de Manose .
Membro da família colectina das lectinas, de ligação específica a manose. Liga-se a grupos de carboidratos nos patógenos invasores e desempenha um papel chave na VIA DE COMPLEMENTO DE LECTINA DE LIGAÇÃO A MANOSE. .
0.49
301745
 
Aglutinina de Amendoim .
Peanut Aglutinina .
Peanut Lectina .
Aglutinina de Arachis Hypogaea .
Lectina de Arachis Hypogaea .
Lectina de Amendoim .
Lectina purificada de amendoim (ARACHIS HYPOGAEA). Liga-se a células pouco e terminalmente diferenciadas, e é usada em técnicas de separação de células. .
0.49
21229
 
Lectina de Ligação a Manose da Via do Complemento .
Lectina Ligante de Manose da Via do Complemento .
Lectina Ligante de Manose do Sistema Complemento .
Via da Lectina do Complemento .
Via da Lectina do Sistema Complemento .
Lectina Ligante de Manose da Via de Ativação do Complemento .
Via da Lectina Ligante de Manose da Via de Ativação do Sistema Complemento .
Via do Complemento da Lectina Ligante de Manana .
Via do Complemento da Lectina de Ligação a Manana .
Via do Complemento da Lectina Ligante de Manose .
Via da Lectina Ligante de Manose do Complemento .
Via da Lectina Ligante de Manose do Sistema Complemento .
Via da Lectina Ligante de Manose de Ativação do Sistema Complemento .
Via do Complemento-Lectina .
Via do Complemento da Lectina .
Via da Lectina Ligante de Manose de Ativação do Complemento .
Via de Complemento de Lectina de Ligação a Manana .
Via de Complemento de Lectina Ligante de Manose .
Via de Complemento de Lectina .
Via de Complemento de Lectina Ligante de Manana .
Via de Complemento de Lectina de Ligação a Manose .
Via de Complemento de Lectina de Ligação a Manano .
Via de Complemento de Lectina Ligante de Manano .
Ativação do complemento desencadeada pela interação de POLISSACARÍDEOS microbianos com LECTINA DE LIGAÇÃO A MANOSE sérica, resultando na ativação das SERINA PROTEASES ASSOCIADAS A PROTEÍNA DE LIGAÇÃO A MANOSE. Da mesma forma que na via clássica, as MASPs clivam o COMPLEMENTO C4 e o COMPLEMENTO C2 para formar a C3 CONVERTASE (C4B2A) e, em seguida, a C5 CONVERTASE (C4B2A3B), resultando na clivagem do COMPLEMENTO C5 e agrupamento do COMPLEXO DE ATAQUE À MEMBRANA DO SISTEMA COMPLEMENTO. .
0.49
2293