serw-MX  [xml]  
 


    
 Categorias DeCS

A08 Sistema Nervoso .
A08.186 Sistema Nervoso Central .
A08.186.854 Medula Espinal .
A08.186.854.697 Corno Dorsal da Medula Espinal .
A08.186.854.729 Corno Ventral da Medula Espinal .
B01 Eucariotos .
B01.750 Estramenópilas .
B01.750.600 Feófitas .
B01.750.600.425 Kelp 25451 .
B01.750.600.450 Laminaria .
B05 Formas dos Organismos .
B05.080 Organismos Aquáticos .
B05.080.750 Alga Marinha .
B05.080.750.450 Kelp 25451 .
D08 Enzimas e Coenzimas .
D08.811 Enzimas .
D08.811.277 Hidrolases .
D08.811.277.450 Glicosídeo Hidrolases .
D08.811.277.450.207 Quitinases .
D08.811.277.450.420 Glucosidases .
D08.811.277.450.420.200 Celulases .
D12 Aminoácidos, Peptídeos e Proteínas .
D12.776 Proteínas .
D12.776.395 Glicoproteínas .
D12.776.395.550 Glicoproteínas de Membrana .
D12.776.395.550.530 Laminina .
D12.776.543 Proteínas de Membrana .
D12.776.543.550 Glicoproteínas de Membrana .
D12.776.543.550.500 Laminina .
D12.776.660 Proteínas Nucleares .
D12.776.660.650 Proteínas Associadas à Matriz Nuclear .
D12.776.660.650.875 Laminas .
D12.776.860 Escleroproteínas .
D12.776.860.300 Proteínas da Matriz Extracelular .
D12.776.860.300.675 Laminina .
 
 Termos
 Sinônimos e Históricos
Documentos
LILACS e MDL
 
Corno Dorsal da Medula Espinal .
Lamina I .
Lamina III .
Lamina IV .
Núcleo de Clarke .
Uma de três colunas centrais da medula espinal. É composta por SUBSTÂNCIA CINZENTA da lâmina espinal I-IV. .
1.00
 
Laminas .
Proteínas da matriz nuclear que são componentes estruturais da LÂMINA NUCLEAR. São encontradas na maioria dos organismos multicelulares. .
0.69
 
Laminina .
Merosina .
Glicoproteína grande, não colagenosa com propriedades antigênicas. Localiza-se na lamina lucida da membrana basal e atua como ligadora de células epiteliais à membrana basal. Evidências sugerem que a proteína desempenha um papel na invasão tumoral. .
0.65
 
Laminaria .
Tampão de Laminaria .
Gênero de ALGAS PARDAS (família Laminariaceae). Pedaços secos destas algas (forma de lápis) podem ser inseridos no colo uterino onde absorvem líquido e se dilatam, servindo como dilatadores osmóticos. .
0.63
 
Quitinases .
Poli-beta-Glucosaminidase .
Laminarase .
Quitinase .
Glicosídeo hidrolases que quebram as ligações glicosídicas na QUITINA. São importantes para a morfogênese de insetos e vermes e na defesa de plantas contra patógenos. As quitinases humanas podem desempenhar algum papel na etiologia de alergias e da asma. .
0.61
 
Corno Ventral da Medula Espinal .
Lamina IX .
Lamina VIII .
Uma de três colunas centrais da medula espinal. É composta por SUBSTÂNCIA CINZENTA das lâminas VIII e IX. .
0.60
 
Celulases .
Laminarinase .
Família de glicosidases que hidrolizam a CELULOSE cristalina em moléculas de açúcar solúvel. Nesta família há uma variedade de subtipos de enzimas com diferentes especificidades de substrato que devem trabalhar juntas para provocar a hidrólise completa da celulose. São encontradas em estruturas chamadas CELULOSSOMAS. .
0.59
 
Kelp 25451 .
Laminariales .
Formas grandes e robustas de algas pardas (PHAEOPHYCEAE). Componente principal das zonas intermaré inferior e sublitoral nas costas rochosas das águas temperadas e polares. Frequentemente se ve a denominação Kelp, um tipo de ALGA MARINHA, para espécies dos gêneros LAMINARIA ou MACROCYSTIS, mas o termo pode também ser usado para espécies em FUCUS ou Nereocystis. .
0.55